Do Something!

Planta uma árvore!

Eu já “plantei” a minha árvore. Dirijam-se a uma estação dos CTT e colaborem na reflorestação das áreas ardidas do nosso país ou façam o vosso “plantio” em umaarvorepelafloresta.quercus.pt.
Com a sorte que tenho, calhou-me plantar um medronheiro. Daqui a uns anos está pronto pra fazer aguardente 🤣🤣🤣. #plantatree #savetheplanet

O Lobo Ibérico – uma espécie incompreendida

O Lobo sempre foi um animal que me cativou. Seja pela sua independência, pelo mistério que o envolve ou pela sua imponência. Vivo nos Açores. Aqui não há lobos, o que, para mim, a crescer, só acrescentou à curiosidade e ao interesse.

O lobo Prado.
Fotografia de Artur V. Oliveira em http://www.grupolobo.pt/lobo-iberico.

O Lobo Ibérico (Canis Lupus Signatus) é a espécie que mais me fascina, pela (ainda que distante) proximidade. No início do século XX, o Lobo Ibérico podia ser encontrado em quase toda a Península Ibérica. Hoje em dia, infelizmente, apenas subsiste em algumas regiões, maioritariamente no Norte de Portugal e correspondente território na vizinha Espanha.

O Lobo Ibérico tem vindo a ter os seus números diminuídos por uma variedade de fatores, que se estendem desde a predação humana à deterioração do seu habitat, novamente pela mão humana. É, conseguimos ser uns verdadeiros idiotas de vez em quando. Não obstante, o Lobo Ibérico está protegido pela Lei de Proteção do Lobo Ibérico em Portugal (Lei n.º 90/88 de 13 de agosto e Decreto-Lei 139/90 de 27 de abril), pela Convenção de Berna, pela Diretiva Europeia Habitats e pela CITES (Convention on International Trade in Endangered Species of Wild Fauna and Flora). Continua, no entanto, a estar em perigo.

Em Portugal, e felizmente, temos gente empenhada em preservar este nosso animal. O Grupo Lobo, segundo os próprios, “tem como missão trabalhar em prol da conservação do lobo e do seu ecossistema em Portugal e fomentar o interesse pelo lobo e pelas ciências que lhe respeitam através da informação da opinião pública (…) [e] desenvolver esforços para estabelecer as condições legais, ecológicas e socioeconómicas indispensáveis a uma conservação efetiva da população lupina nacional.” Vide http://www.grupolobo.pt/sobre-o-grupo-lobo/quem-somos/missao-valores

O trabalho deste Grupo centra-se, em grande parte, no Centro de Recuperação do Lobo Ibérico, onde se realiza, diariamente, um extraordinário trabalho de conservação. Há algum tempo atrás, o CRLI, que se localiza no Gradil, em Mafra, esteve em risco de fechar por não ser proprietário dos terrenos em que o mesmo se encontrava. Graças a um tremendo trabalho das pessoas que lideram o Grupo Lobo e de muitos que contribuíram para que tal não acontecesse, o problema foi ultrapassado e hoje é a residência de 13 lobos, alguns nascidos no próprio CRLI, outros retirados de cativeiro ilegal ou provenientes de parques zoológicos.

Um dos programas do CRLI é o programa de Apadrinhamentos que, para quem está no meio do Atlântico e, desse modo, vê as suas formas de ação “um pouco” limitadas, é um ao qual aderi com muita alegria. Há alguns anos atrás “adotei” o Sabor, um lobo magnífico. Algum tempo mais tarde, recebi a triste notícia de que o Sabor havia falecido. Fiquei feliz de saber, no entanto, que morreu onde valorizaram e preservaram a sua vida, e que viveu com a liberdade e conforto que, segundo a conjuntura, lhes foram possíveis. A notícia da morte do Sabor foi, para mim, um momento de imensa tristeza.

Este era o Sabor, o primeiro lobo que apadrinhei. Vêem-se claramente, nas patas dianteiras, as riscas pretas distintas do Lobo Ibérico, que lhe conferem o seu nome latino, Canis Lupus Signatus. Era um lobo lindíssimo que ficará, para sempre, no meu coração.

Recentemente, decidi aventurar-me, novamente, pelos apadrinhamentos e ajudar, na medida do que me é possível, o Centro de Recuperação do Lobo Ibérico. Neste momento sou “madrinha” do Gerês e da Arga. O Gerês é um dos maiores lobos do CRLI, nascido em maio de 2014, no CRLI. A Arga, tímida e que gosta de manter a sua privacidade, nasceu em maio de 2007 e provém do zoológico de Port Lympne, em Inglaterra.

A doce Arga.
O magnífico Gerês, que vive com loba Nave.

O Programa de Apadrinhamentos do CRLI é apenas um. O site do Grupo Lobo merece uma visita e a exploração dos seus conteúdos. O esforço de todos quantos colaboram com o CRLI, incluindo os voluntários que participam do Programa de Voluntariado, merecem essa atenção.

O Lobo Ibérico é tão nosso. Visitem o Grupo Lobo e contribuam da forma que puderem. Há várias. Um dia ainda hei-de fazer voluntariado lá – porque o trabalho de preservação e de luta pelo nosso meio ambiente tem mesmo que ser de todos. E se todos contribuirmos um pouco, da forma que pudermos (mesmo que seja escrever, postar ou partilhar nas redes sociais sobre o assunto), podemos chegar longe numa maior consciencialização e, consequentemente, na verdadeira preservação da nossa fauna e da nossa flora.

Deixo-vos com os meus Certificados de Apadrinhamento que eu, “cheia de mania”, exibo. É o pouco que, neste momento, posso fazer. Mas…rais parta se não me sinto orgulhosa.